expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Meu histórico da pratica de leitura e escrita




Descrever-me-ia como alguém ecleticamente disperso. Metaforicamente, como uma mente borboleta, ou mais másculo, um beija-flor em busca do pólen. Não sei realmente de qual assunto prefiro, pois ao passo que me interesso por algo, logo o considero monótono. Os primeiros contatos com a leitura foram a partir de gibis, me divertindo à beça com a turma da Mônica. Também, na pré-adolescência, costumava ler livros de ciências, história e geografia propostos pelo estabelecimento de ensino.

No meu processo de escolha profissional, passei por crise de identidade profissional, hesitando entre psicologia, direito, turismo, relações internacionais, filosofia, biologia, enfermagem, fisioterapia, medicina, letras, entre outros que não me vem à mente. Acabei sendo impelido ao mundo das letras por ter conseguido ingressar na grande UFBA.  A princípio, por ter um bloqueio com a literatura brasileira, fui quase que obrigado a conhecer obras como Dom Casmurro, de Machado de Assis, Hora da estrela, de Clarice Lispector, Primo Basílio entre outros, para prestar o vestibular, passando então a me interessar mais um pouco. Já me interessei pelas obras de Paulo Coelho, Machado de Assis, José de Alencar e outros mais notáveis. Ainda hoje quando tenho tempo, os leio.

Como enveredei pelo rumo das letras, em particular, língua estrangeira; manifestei gostos variados por idiomas. Busquei ler livros de literatura estrangeira, (romances e contos) em idiomas como inglês, italiano, francês, como as obras de Vitor Hugo, Reparação de McEwan, e outros. Até me identificando mais; pois o enredo, a história e a linguagem usada para descrever emoções e detalhes do ambiente me fascinam.

Leio praticamente o que me interessar no momento, já li alguns livros de psicologia, auto-ajuda: inteligência emocional entre outros, também já li O mundo de Sofia e outros de cunho filosófico. Já li vários livros sobre religião, adentrando na minha religião de batismo: católica, desenvolvendo criticas, concepções e conclusões ambivalentes. Também leio a bíblia ocasionalmente.

Tenho interesses por assuntos metafísicos, mas não cheguei a ler nenhum livro especifico. Geralmente leio superficialmente e quase não consigo ir até o final, buscando sempre algo que excite a minha mente, isso vale para quase tudo, até erotismo. Não sou muito de ler livros acadêmicos, Às vezes leio revistas cientificas e adoro ler livros de astrologia psicológica, aquela que descreve e traça personalidade e características a partir de dados do posicionamento planetários, o que revela a minha busca por explicações da psicologia humana, em todas as suas possíveis veredas. Enfim, sou puro sincretismo heterogêneo em eterna busca da verdade. 

Enquanto a escrita, comecei com cartas de admiração para a minha mãe e para as tias (professoras). Passei a desenvolver melhor a escrita através de redações feitas em cursinhos preparatórios. A poesia nunca me atraiu, pois parecia um campo inacessível ao meu entendimento. Hoje em dia, escrevo emails ocasionalmente, mas o meu meio de escrita é mais voltado para o instantâneo, o Messenger, onde posso desenvolver estruturas e frases dos idiomas estudados. Conversando assuntos variados e oportunistas. Já escrevi ensaios, descrições referentes a obras requisitadas por professores de língua portuguesa e inglesa. A minha área de atuação está em traduzir, ou seja, sou um bom copiador e adaptador de idéias, não um criador. Não tenho hobbies com a escrita criativa.