expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Meu memorial


 
                                     Pedro Samuel de Moura Torres

 

1.     Vida pré-escolar

 

Sou o quarto e ultimo filho de uma família composta por meu pai Rivaldo, minha mãe Amélia, meu irmão mais velho George (atualmente casado), minha irmã Jaqueline (atualmente casada) e meu irmão companheiro Júnior que está para se casar. Sou filho de um pai agricultor (aposentado) e uma mãe professora (aposentada). Nasci no ano de 1982 em Biritinga, BA, uma pequena cidade interiorana com apenas vinte e um mil habitantes. Realizei todos os meus estudos, do fundamental ao ensino médio, em escolas municipais e estaduais, pois nesse distrito não se havia escolas privadas. Fui alfabetizado na escola Chapeuzinho Vermelho pela professora e, por coincidência, prima Rita. Minha irmã propala que essa prima foi e continua sendo uma ótima professora e que ela foi a responsável pela minha leitura precoce.

 

2.     Alfabetização
 

 

Tenho vagas lembranças da época do jardim-de-infância, um dos dados mais fortes na minha memória é que a escola era próxima a rua onde eu morava. Durante a alfabetização, eu havia encontrado a garota pela qual fiquei apaixonado por toda a infância, após receber um beijo inocente no rosto da loirinha cobiçada por todos e filha do gerente do banco, na época. Eu tinha a fama de ser um aluno aplicado e bastante adiantado, pois não mostrava dificuldade na aprendizagem. Consideravam-me um aluno obediente e inteligente e, por justificativa, filho de uma professora. Lembro também das merendas que minha mãe, minha irmã ou minha babá me levavam. Dizem que eu era muito mimado e paparicado já que estava sempre rodeado de cuidados e de atenções femininas. Na época de infância, tive amizades bastante esporádicas. Apenas consolidei amizades a partir da adolescência.

 

2.1 A influência da minha mãe e o forte apoio da minha irmã

 

Como minha mãe foi professora, eu tive um alicerce razoavelmente sólido na minha formação fundamental, pois dispunha de livros e recursos básicos para a minha alfabetização. Minha mãe também me levava para as suas aulas, para me introduzir no mundo da leitura e escrita. Todavia, devido a sua ausência em casa, por estar sempre ocupada com a direção de escola estadual, encarregou à minha irmã os cuidados e acompanhamento dos meus estudos. Minha irmã Jaqueline, sempre preocupada com o meu futuro, contribuiu muito para o meu caminho acadêmico, pois ela sempre esteve a me estimular e encorajar para os estudos. Ela sempre me aconselhava que nós teríamos de lutar e estudar para sermos alguém na vida. Ajudava a tirar minhas dúvidas, conversava e debatia comigo assuntos relativos à escola e até da própria vida. Ela tinha prazer em me presentear gibis ou revistas educativas para me incentivar na leitura. Até mesmo se propôs a me dar aulas para disciplinas primárias, porém, mediante pagamento. Na infância ganhei muitos discos coloridos da Disney e eu sonhava ao escutar as histórias de fadas e princesas. Minhas leituras também eram muito fantasiosas e imaginativas, típicas da idade, com maior quantidade de ilustrações do que de escrita. Na Adolescência, comecei a ler alguns livros bem mais verbais; como Iracema, a ilha perdida, o mulato, etc. 

 

3. Época do ensino médio e prelúdios do encaminhamento

 

No Ginásio, eu tinha interesses bastante variados e diversos, pois ao passo que gostava de geografia, ciências, estudos sociais, português e língua estrangeira, detestava historia, literatura, matemática, química e física. Entretanto, foi logo no primeiro ano do ginásio que despertou o meu interesse pelo idioma inglês. Meu professor Sérgio, da quinta série, me serviu de grande impulso para o gosto da língua estrangeira, já que era um excelente e querido professor, despertando admirações dos alunos. Eu fiquei famoso na escola por ler textos em inglês sem hesitar e pelas notas altas. Todos os meus colegas queriam sentar próximo de mim na hora das provas ou sempre me pediam ajuda.

Embora eu tivesse preguiça, e conseqüentemente, me dispersasse nas aulas de matemática, quando entrei em um curso extra, passei a virar CDF em matemática também. Vivi nessa época como o exemplo de aluno intelectual para os professores e o NERD para os coleguinhas. Tal posição me colocou em uma condição que não me agradava muito: as pessoas se aproximavam de mim ou com amedrontada admiração ou com interesses intelectuais.

 

3.1 Momento rebeldia e encontros desviantes

 

Percebendo o outro lado da moeda, a possível solidão e distanciamentos dos outros, eu procurei mudar, pois, no meu intimo, queria vivenciar as relações humanas. Foi no Ginásio que encontrei a garota que mudou as minhas perspectivas. Bárbara, minha colega que se tornou minha primeira amiga e minha primeira paixão. Ela foi o instrumento que me “tirou do bom caminho”, com ela passei a ver o lado mais malandro e gracioso. Para eu filar uma aula era como se meus pais fossem descobrir e seria o fim do mundo, o fim do filho bom, a decepção mais absurda. Contudo, me deixei ser seduzido e vivemos momentos intensos que guardo até hoje na lembrança. A partir desse período já havia perdido o cartaz de aluno exemplar, passando a fazer recuperações, pescar nas provas, a filar aulas e viver um pouco mais a vida fora da prisão do dever da aprendizagem e da imagem de certinho.    

O Ensino médio foi na minha adolescência, uma fase gostosa e de descobrimentos, mas com alguns desafios. Tinha uma ótima relação com quase todos os professores; exceto uma professora de quem trago lembranças negativas e traumas. Essa professora permaneceu como um trauma que me afetou até hoje nos meus relacionamentos com os professores. Na oitava série, passei a conhecer a literatura, li livros de José de Alencar, Machado de Assis, Maria José Dupré, etc. Adorei ler alguns livros e outros não. O vigor do inglês, nessa época, para mim abrandou imensamente, talvez por falta de um professor competente; pois eu parecia saber mais inglês que ele. No segundo grau, tive que me submeter a fazer magistério por falta de opção. Concluindo o ensino médio em magistério, visto que só havia magistério em tal cidade, tive que estagiar nos níveis de primário (primeira à quarta série).



4. Primeira formação; a busca de novos objetivos

 

Após a formatura de magistério, eu comecei a trabalhar em escolas ensinando níveis de primário na zona rural e urbana. Descontente com a posição de professor primário, eu preferi trabalhar como secretário de jardim-de-infância. Nesse meio termo, eu fiz pequenos cursos de informática e computação. Insatisfeito e irrealizado com a minha situação profissional, eu decidi abdicar do meu conforto familiar e me aventurar em uma oportunidade oferecida pelo prefeito da cidade, de vir a Salvador para estudar morando em residência universitária.

 

4.1 Novo rumo e adaptação

 

Foram anos de muita luta, sofrimento e ao mesmo tempo, distração, pois ao passo que teríamos que nos tolerar: a falta de privacidade que me sufocava, a diferença de horário de cada um para dormir, administração da casa, desentendimentos rotineiros que pareciam estar cada vez mais freqüentes, etc., tivemos momentos agradáveis e hilários, onde nos uníamos e compartilhávamos nossas experiências. Ali vivi por quase dois anos.

O primeiro ano aqui em Salvador foi um ano de adaptação, nossos pais de cidade pacata, tão preocupados, recomendavam-nos que teríamos de andar sempre juntos para nos defender, já que não conhecíamos nada. Como o ensino que tivemos não foi satisfatório para ajudar a passar em um vestibular, freqüentávamos cursinhos preparatórios. Primeiro estudamos no cursinho Status da Moraria. Tudo era novo, e a gama de assuntos e detalhes nos assustava. Sentíamo-nos incapazes de absorver tanto conteúdo em tão pouco tempo. Contudo, não desisti e continuei tentando. Em meio a esse combate pela aquisição de conhecimentos, também afrontava em mim o conflito, a dúvida sobre a escolha profissional. Não tive tempo para fazer o teste vocacional e, ao passar pela crise de identidade profissional, despertei interesses totalmente díspares.

 

4.2 Busca vocacional

 

Logo no inicio, pensava na possibilidade de prestar vestibular para direito ou medicina, pelo status e possível satisfação financeira que tais cursos supõem-se oferecer. Entretanto eu sentia o grande desafio que teria pela concorrência assustadoramente grande, sem dizer também que eu não possuía a aptidão para tais cursos. Também tive certa curiosidade por odontologia e fisioterapia, já havia até pesquisado as faculdades que ofereciam tais cursos, mas não me atrevi. Eu admirava muito geografia e nutrição e até conjecturei a possibilidade de fazer oceanografia.   

No segundo ano aqui em Salvador, ao freqüentar o cursinho Sartre fiz o simulado para biologia, pois naquele momento estava quase convicto que seguiria esse rumo. Tendo uma razoável pontuação, julguei ter feito a escolha certa. No entanto minha fraqueza se situava em matérias de ciências biológicas, como química e física que seriam requisitos básicos para o curso. Percebendo o contra-senso, decidi buscar outras alternativas. Desse modo, ao final do ano, já não estava mais convencido de que iria prestá-lo. Foi quando tentei fazer psicologia, passei na UNIFACS, mas não a cursei, porque não podia custeá-la.

 

5. Uma semi-reafirmação e estabilização de minha escolha

 

No terceiro ano aqui em Salvador, devido aos conselhos de pessoas próximas, acreditei que deveria tentar Letras, mas, mesmo aparentemente decidido, no fundo, duvidava. Continuei estudando no Sartre, onde aprendi os macetes e focalizei nas exigências da Federal para passar em Letras. Lá no Sartre, também aprimorei bastante os conhecimentos gerais e principalmente na construção de redações, o que me ajudou extremamente a passar na UFBA. Percebendo o meu gosto por línguas, eu intuí que deveria fazer algo que as aprendesse, e que de algum modo, as aplicasse. Pedi e consegui uma bolsa para estudar inglês no ACBEU, pela necessidade de uma segunda língua e como mais um bom requisito para o currículo.

Concluí o curso do ACBEU com direito a cerimônia e diploma. Nesse ano, encontrava-me mais centrado e decidido em meus objetivos, pelo menos, em qual contexto eu seguiria. Ao consolidar esse gosto peculiar por idiomas, deduzi que faria Turismo e Hotelaria, ou até mesmo, Relações Internacionais. Até então achava que Letras não me serviria tanto pelo fato de depreciar literatura e vernáculas. Prestei e passei em Turismo na FACTUR, contudo, decidi não cursá-la, influenciado por professores de cursinho e principalmente por um tio que desconfiava da competência daquela instituição, o que me trouxe inquietações.

Não obstante, já perto das inscrições, persuadido e semi-orientado por uma professora de inglês do cursinho Sartre, eu decidi prestar vestibular para Letras vernáculas com língua estrangeira em inglês (licenciatura). No final do terceiro e último ano de tentativa, mas já decido mais ou menos qual rumo seguiria, fiz vestibular para letras com inglês na UCSAL e UFBA, na UNEB aventurei turismo. Perdi na UNEB, mas passei na UCSAL, onde freqüentei apenas duas semanas porque havia recebido o resultado positivo da UFBA.

 

6. O ingresso na UFBA e novas perspectivas

 

Após duas tentativas, consegui entrar na UFBA. No início foi muito impactante, a minha experiência com literatura e lingüística me atemorizou. Pensei em desistir, mas ao perceber que havia a possibilidade de mudar de curso, não deixei me abater. Pedi a transferência interna de letras vernáculas com língua estrangeira (licenciatura) para língua estrangeira (bacharelado) a fim de trabalhar com idiomas aplicando-os em traduções e interpretações ou veiculando à hotelaria. Mesmo com a transferência não fui poupado de cursar disciplinas que eu achava desnecessárias e insuportáveis. Até sofri muito com três disciplinas de literatura vernácula, pois freqüentava as aulas como que fizesse algo sobre pressão. Mas já finalizei essas matérias mais pesarosas e me sinto mais tranqüilo e direcionado para o que eu gosto. Hoje, me encontro com conhecimentos em língua inglesa, cinco semestres de francês, três semestres de italiano e começando agora com espanhol. Estou no penúltimo semestre e pretendo aproveitar meus conhecimentos lingüísticos em múltiplas possibilidades, mas a que eu mais evito é a educação, pois me julgo desmotivado e sem aptidão para lecionar.       


                                                                                                            Pedro Samuel de Moura Torres