expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

SOCIEDADE E EDUCAÇÃO: Resumo do texto: "Papo cabeça para pensar: Folha online"






                                                                                             Pedro Samuel de Moura Torres





REDAÇÃO. Papo cabeça para pensar: Folha online. São Paulo. 2005.

 

O texto “Papo cabeça para pensar” Folha de São Paulo faz uma entrevista à pedagoga Ana Elisa Siqueira que fala da escola municipal Amorim Lima da zona oeste de São Paulo que desenvolve um projeto inspirado na Escola da Ponte, de Portugal onde não existem salas de aula, diferenças hierárquica entre professor e aluno, currículo, exames finais e cuja proposta é de se reconhecerem enquanto povo brasileiro. Ana Elisa Siqueira formada em pedagogia pela PUC de são Paulo é a diretora e criadora de tal projeto que vem contagiando e mobilizando alunos, mestres e pais de alunos. Seu lema é: "Escola pública não deveria ser só de crianças pobres, mas de toda a população. Isto é que seria uma escola verdadeiramente democrática."

Ana Elisa Siqueira responde as questões mostrando seu caminho trilhado na educação e como ela chegou até esse seu novo projeto; em uma visita ao Butantã, conheceu Amorim Lima e passou a enxergar a possibilidade de se criar um espaço cultural que democratizasse e tornasse acessível a educação tanto para jovens sem recursos financeiros quanto para os de condição. Com tal desígnio em mente ela decide se tornar diretora para consolidar seus projetos; ela comenta das suas tentativas passadas de viabilizar a participação dos pais na educação dos seus filhos ao lembrar quando em uma dessas empreitadas ela foi reclamada e questionada sobre o movimento que estava causando.

Quando entrevistada lhe perguntaram o que era tão subversivo naquela empreita, ela apenas respondeu que a participação dos pais seria bastante útil, mas que os mesmos passaram a questionar os professores o que se sentiram ameaçados e constrangidos diante da situação. Ana Siqueira conta alguns detalhes sobre as transformações que ela produziu durante o seu domínio na escola, mudanças não apenas no aspecto físico, como questão de segurança, mas no âmbito psicológico e social daquele recinto. Revela também que o resultado de todo esse desenvolvimento incomodava e causava bastante intransigência entre os professores.

 Ela ressalta a importância da escola, de se estabelecerem normas e regras, criar valores e de manter um vinculo social e cultural dando exemplos de alunos que se deram mal após terem se desvinculado da mesma. Ana Siqueira aborda a questão da liberdade e dos alunos terem o direito de escolherem suas atividades facilitando a integração dos alunos com um modo mais prazeroso e didático. Tais obras mostram que existem pessoas que realmente se preocupam em conduzir e melhorar a educação brasileira, tomando uma iniciativa ousada e empreendedora com fins utilitários tendo desempenhos que deveriam ser aderidos em todo o contexto educacional do nosso país.